Plantão

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

A solução definitiva para guardar os seus CDs

Quando foi a última vez que você comprou um CD? Para muitos de nós, isso soa como perguntar a um amigo sobre o último videocassete que ele comprou. Mas o que fazer com todos esses discos prateados que você comprou antes da chegada da Internet com o com o Napster, compartilhamento peer-to-peer, rádios com streaming de música e, agora, armazenamento em nuvem, essas novidades que facilitaram a busca e o download de música na rede, tudo pronto para ser usado no aparelho de sua escolha? Quer dizer, caixinhas acrílicas com CDs do Iron Maiden ainda estão no seu campo de visão acumulando poeira a cada ano que passa?

Embora possam parecer antiquados, os CDs não devem ser mandados para o lixão digital – pelo menos não antes de se extrair deles o necessário. Primeiro, a qualidade do som é um pouco melhor do que o som de um MP3. O arquivo MP3 é pequeno justamente porque a quantidade de dados que contém é bem menor do que uma faixa original de CD, e assim o som tem menos fidelidade. Segundo, apesar das faixas disponíveis na Amazon, iTunes e rádios digitaisserem suficientes para você balançar o esqueleto por uma vida inteira, provavelmente você possui algumas raridades ecléticas que não conseguiria encontrar nas bibliotecas eletrônicas.

Então, o que um cara faz com todos esses CDs que não foram ouvidos desde a época em que ver um episódio de Friends era o ponto alto da sua semana? Você tem duas opções: faça você mesmo ou terceirize.

O caminho do “faça você mesmo”

Se você usa o iTunes para gerenciar suas músicas, você vai encontrar uma opção em “preferências” (dento do menu do iTunes) para importar as músicas automaticamente toda vez que inserir um CD no computador. Selecione essa opção. Você também vai encontrar nesse menu as configurações de importação. Para importar as músicas com a melhor qualidade possível, selecione AIFF Encoder ou Apple Lossless Encoder, que são codificadores digitais sem perda. Se você está com problemas de espaço no HD, é possível importar as músicas como MP3. Mas, como dito anteriormente, nesse formato você perde em qualidade de som (muita gente afirma que a perda de qualidade é imperceptível), precisamente para reduzir o tamanho dos arquivos.

Se você tem um PC e não usa iTunes, existem opções de softwares grátis (por exemplo, Winamp) ou pagos (por exemplo, Nero e Winamp Pro) que podem dar uma ajuda com o processo de importação de músicas. Esses programas, além de economizarem seu tempo, também vão ajudar com o gerenciamento da sua biblioteca de música depois da importação dos seus CDs. Num PC (mais uma vez, se você não precisa economizar espaço no HD), o melhor é importar as músicas como .WAV (que oferece o som original) ou FLAC (Free Lossless Audio Codec).

A boa noticia é que, independentemente de você usar um Mac ou um PC, o programa vai resolver a maior parte do trabalho pesado (procurando, inclusive, a arte de capa do CD e identificando as faixas automaticamente). Mesmo assim, você vai ter que lidar com a tarefa chata de inserir e trocar os CDs mais ou menos de cinco em cinco minutos, dependendo do formato que escolheu.

Depois de ter importado alguns discos, teste a musica extraída nos seus vários dispositivos (desktop, laptop, tablet, celular). Confira se o formato escolhido não tem resultados problemáticos ou acusticamente insatisfatórios  (nem todos os serviços de armazenamento na nuvem aceitam arquivos de alta fidelidade, por exemplo). Quando você estiver satisfeito com os resultados, finalize o processo de extrair as faixas dos CDs. E quando acabar, faça um backup! Se for do tipo conservador, salve seus arquivos num HD grande externo (de preferência, em  dois HDs). Mas o que vem por aí mesmo é guardar todas as suas músicas num servidor de armazenamento na nuvem.

A nuvem
Nos EUA, usuários do iTunes podem pagar US$25 por um novo serviço da Apple chamado iMatch, que permite o upload de todo o conteúdo dos seus CDs. Os seus arquivos de música que estiverem no iTunes, sejam os já comprados no próprio iTunes, extraídos dos CDs ou mesmo piratas, serão armazenados na nuvem cujo acesso poderá ser feito a partir de qualquer um dos seus dispositivos iOS na rede. Como a Apple fez um acordo com milhares de detentores dos direitos de músicas, você não vai sequer perder tempo fazendo upload para a nuvem. Se o iMatch reconhecer a sua música, imediatamente registra e cede acesso à  cópia de alta qualidade já existente no serviço.

Outras duas opções de hospedagem na nuvem para seus arquivos de música são o Music Beta, do Google (grátis para o armazenamento de até 20.000 músicas), e a Music Cloud da Amazon (só MP3 e AAC). Porém, prepare-se para um upload inicial que pode demorar horas, possivelmente dias dependendo da quantidade de músicas que você tiver. O processo de upload não vai paralisar seu computador por completo, mas a sua conexão ficará bem mais lenta.

Você vai adorar ter acesso a todas as suas músicas, quando e onde quiser. Sua maior preocupação agora não será mais onde guardar música, mas o que fazer com o espaço que aquela torre empoeirada de CDs costumava ocupar.

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Copyright © 2013 H de Homem
Traduzido Por: Template Para Blogspot - Design by FBTemplates