Plantão

terça-feira, 12 de junho de 2012

Parada Gay de São Paulo pede o fim do preconceito

Foto: @lufep
Para pedir o fim do preconceito e a criminalização da homofobia, 14 trios elétricos fecharam domingo a Avenida Paulista, na região central da capital. Participam da festa jovens, velhos, crianças, famílias, drag queens, fantasiados ou não, apoiando a causa da diversidade.

A 16ª edição Parada do Orgulho LGBT (sigla para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) foi com o lema “Homofobia tem cura: educação e criminalização!”. A citação faz alusão ao Projeto de Lei 122, de 2006, que tipifica a homofobia como crime. O manifesto da parada lembrou ainda o caso do Projeto Escola Sem Homofobia, do governo federal, que foi duramente criticado por alguns setores da sociedade e acabou suspenso. “O ambiente escolar deve ser um espaço inclusivo, de vanguarda, que quebre paradigmas e seja ponto de reflexão sobre novas concepções morais”, ressalta o manifesto.

Indiferente à música alta, a modelista Rosângela Gamella observava a passagem dos trios sentada fora da multidão. Ela contou que nos últimos dias está emocionada lembrando de um amigo que foi morto a pedradas por “dois homofóbicos”, há dois anos. “Eu vim em algumas paradas com ele”, lembrou. Rosângela disse que, apesar de casada e mãe de dois filhos, tem muitos amigos gays. “Eu trabalho com moda e esse é um mundo muito homossexual”.

A teleatendente Laila Ferreira disse que apesar de a discriminação afetar a sua vida profissional, consegue superar o problema. “Eu sou discriminada, mas isso não me afeta. Eu sei que não somos poucos", ressaltou a transexual que foi à parada para “apoiar a causa”. O jeito reservado faz com que o cabeleireiro Luciano Ribeiro evite ser discriminado. Ele admitiu, entretanto, que esconde a opção sexual de alguns familiares e colegas de trabalho. “Às vezes temos de esconder da família e no trabalho”.

Com uma expectativa de público de até 3 milhões de pessoas, 16ª Parada do Orgulho LGBT lotou os hotéis das categorias econômica e supereconômica da região da Avenida Paulista. Pesquisa feita pela São Paulo Turismo (SPTuris), empresa de turismo e eventos da prefeitura, revela que 16,2% do público da Parada LGBT do ano passado não moravam na capital paulista, sendo que 11,3% eram da região metropolitana de São Paulo e 4,9% eram turistas vindos de cidades do interior, de outros estados e estrangeiros. O estudo apontou, ainda, que os visitantes permanecem, em média, 5,8 dias na cidade. As informações são da Agência Brasil.

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Copyright © 2013 H de Homem
Traduzido Por: Template Para Blogspot - Design by FBTemplates